» O Jornal Rota do Mar | » Assine Rota do Mar | » Fale conosco | » No Facebook | » No Twitter

Geral

Tirar cera de ouvido aumenta risco de infecções no órgão

COMPARTILHE ISSO:

Primeiro vamos falar sobre a importância da cera. A cera (ou cerume) é produzida por glândulas da pele da porção mais externa do canal auditivo. A cera é formada pela secreção das glândulas, que é rica em gordura e descamação de pele, possuindo várias funções. Por ser oleosa, ela impede o ressecamento da pele do conduto auditivo e funciona como uma barreira de proteção, que filtra impurezas e corpos estranhos. Também possui ação antibacteriana e antifúngica. Quando a cera é produzida, ela segue um trajeto no canal auditivo até sua saída. Quando mastigamos e falamos, a mandíbula se move e carrega a cera para fora do canal auditivo. É somente esta parte que podemos limpar, e não dentro do canal auditivo, pois nosso organismo já se encarrega de eliminar o excesso de cera produzido. Por que não podemos retirar a cera? Retirar a cera reduz a proteção natural contra microorganismos, aumentando o risco de infecções. As infecções do canal auditivo costumam ser muito dolorosas e precisam de tratamento com antibióticos locais. Além disso, a pele fica extremamente seca, o que gera sensação de coceira, que por sua vez faz a pessoa manipular ainda mais o canal auditivo. Isso se torna um círculo vicioso, com muita irritação no local e eventualmente infecção (otite). Tentativas de remover a cera de forma excessiva causam um trauma na pele do ouvido, levando à dor. Além disso, o ato pode empurrar a cera para dentro do ouvido, obstruindo o canal e dando a sensação de surdez. Neste caso, em geral é necessária a retirada pelo médico, por meio de lavagem ou aspiração. Se o cotonete for introduzido até o fundo do canal do ouvido, pode chegar à membrana timpânica, podendo até perfurá-la e levar a uma perda auditiva. Aposente o cotonete- Recomenda-se usar apenas toalha para secar após o banho. O uso de cotonete não é recomendado, pois a haste acaba sendo introduzida dentro do canal auditivo com frequência. O intervalo de tempo em que essa limpeza precisa ser feita depende de cada pessoa, não existe uma regra. Na verdade, pelo fato de nosso ouvido ser "auto-limpante", quanto menos limpeza, melhor. Se já for um hábito, devemos tomar o cuidado de só limpar externamente. Fonte: R7 MinhaVida/ Samanta Dall'Agnese

 

Comentários

Comentar esta notícia Comentar esta notícia